Quais são os pilares da indústria de base nacional?

#Indústria #GrupoTamboré #IndústriadeBase

Para a sustentação da economia brasileira, contamos com as industrias de base (já abordamos aqui no nosso blog, um artigo especial para explicar os tipos de indústrias, clique aqui para conferir). Hoje, analisaremos os setores que compõem seu alicerce.

Durante várias décadas, a mineração enriqueceu mineiros e o próprio governo do país, sendo a principal fonte de capital. Entretanto, com a evolução da sociedade algumas outras fontes foram agregadas para contemplar uma estabilidade financeira capaz de administrar todas as necessidades da modernidade do Estado.  

Como um dos maiores produtores de minério de ferro no mercado global, o Brasil ocupa uma posição bem vantajosa. Nossas reservas de nióbio, um metal raro, fundamental para a indústria de alta tecnologia, somam mais de 95% de toda a produção mundial.

Desfocando do extrativismo, vamos para as siderúrgicas, que são as industrias dedicadas ao tratamento de aços e ferros fundidos. O Brasil é um dos dez maiores produtores de aço do mundo, com 29 usinas, administradas por 11 grupos empresariais. Entre eles, estão Gerdau, ArcelorMittal Brasil, CSN, ThyssenKrupp CSA, Usiminas e Votorantim.

E por fim, temos o setor de Papel e Celulose, que move empresas votadas para livros, jornais, revistas, notas de dinheiros, embalagens e etc. Segundo a Indústria Brasileira de Árvores – entidade que representa 62 empresas e emprega cerca de 5 milhões de pessoas direta ou indiretamente –, os projetos de investimento das empresas chegaram a 53 milhões de reais até 2020. Entre as maiores do setor estão Suzano, Klabin, Fibria, International Paper e Cenibra.

Agora ficou claro quais são as partes importantes para a manutenção da economia brasileira? Compartilhe esse conteúdo com seus amigos.

Empresa adere à embalagem de alumínio para água mineral

#Indústria #GrupoTamboré

O Brasil é o maior reciclador de alumínio desde 2001. A reciclagem do material traz inúmeros benefícios para os brasileiros, já que envolve desde produção de renda com a geração de empregos à sustentabilidade e preservação da natureza do país. Graças aos esforços dessa cadeia (fabricantes de chapas, envasadores de bebidas, cooperativas e recicladoras) o ciclo de reciclagem é visto com grande influencia social e econômica.

Seguindo essa linha promissora, a marca paranaense Serra do Atlântico lançou sua água mineral na versão lata de alumínio, de 310ml. A nova embalagem está sendo produzida pela Ball Corporation, que por sua vez, é expert nesse tipo de fornecimento no Brasil e exterior. A justificativa da marca para o lançamento, encontra-se nas palavras do seu diretor, que diz: “A empresa mantém procura constante por modelos mais sustentáveis de produção e de embalagens. Agora estamos avançando nesse sentido. O alumínio é 100% e infinitamente reciclável” declara Christiano Loureiro.

A lata de alumínio é a embalagem mais sustentável da cadeia de bebidas, com taxa de reciclagem de cerca de 97,6% no Brasil. Além disso, agrega outras vantagens: é inviolável, oferece maior segurança ao consumidor, permite a certeza da procedência da bebida, além de gelar mais rápido. São inúmeros pontos positivos, certo?!

A marca não se limita quando o assunto é sustentabilidade. Desde fevereiro, 90% da energia necessária para manter sua linha de produção, instalada aos pés da Serra do Mar, em Morretes, vem da energia solar

“A Serra do Atlântico mantém uma procura constante por modelos mais sustentáveis de produção e de embalagens. Agora estamos avançando nesse sentido, aderindo à guerra contra o plástico”, continua o diretor: “O alumínio é 100% e infinitamente reciclável. Atualmente o Brasil é o líder mundial na reciclagem deste material”. 

O que você acha sobre esse tema? Compartilhe em suas redes sociais!

Dicas de limpeza para esquadrias de alumínio

#Indústria #GrupoTamboré

Durabilidade é uma das principais características do alumínio. Janelas ou portas feitas com esse material podem durar muitos anos.Porém para que isso aconteça, uma série de medidas preventivas devem ser tomadas.
Aqui, iremos apresentar algumas dicas para manter suas esquadrias sempre lindas e preservadas:


1- Limpeza adequada
A limpeza deve ser feita com solução de água morna e detergente neutro, com esponja anti risco ou pano macio.
Caso esteja em uma área marítima ou industrial, deve realizar este procedimento a cada 3 meses e se mora em uma área urbana ou rural, deve repetir este procedimento a cada 12 meses.
Os trilhos da janela inferior deve ser limpos com mais frequência para evitar o acúmulo de poeira e incrustações, o que tornará a abertura e o fechamento mais difícil no longo prazo. Não use objetos cortantes pontiagudos para limpar os cantos de difícil acesso, opte sempre por uma escova ou pincel de cerdas macias.
Esqueça vaselinas ou removedores, apesar de deixarem as superfície mais brilhante e macia no primeiro momento, os componentes desse produtos podem agir como abrasivos, atraindo partículas de poeira, o que irá reduzir a durabilidade de sua esquadria.

2 – Manutenção preventiva
A manutenção preventiva consiste em trocas de peças que estão começando a perder o funcionamento parcial ou total, como por exemplo: Roldanas, escovas e borrachas de vedação, vidro, puxador ou fechadura drobadiças.

3 – Cuidados com pinturas

Vai pintar sua residência? Então cuide bem das esquadrias, cobrindo com fitas adesivas de PVC, cuidado com as fitas crepe, pois pode manchar as peças em alumínio caso tenha um contato longo. Se a tinta respingou na esquadria, limpe imediatamente com um pano umedecido em solução de água e detergente neutro.

4 – Não lubrifique as esquadrias

Muito cuidado, não é recomendado lubrificar as esquadrias pois podem danificar o material, piorando-o ao invés de melhorá-lo, pois as roldanas e articulações trabalham sobre uma camada de nylon autolubrificante.

Você sabia dessas informações? Compartilhe em suas redes sociais.

Tipos de Indústrias

#Indústria #GrupoTamboré

Você sabe diferenciar os tipos de indústrias? Fizemos esse artigo para explicar a atuação de cada uma. Continue lendo.

As indústrias de bens de produção, conhecidas como indústrias de base, são as que transformam a matéria-prima bruta, encontrada diretamente no meio natural, em matéria-prima processada, que mais tarde será usada em outros ramos industriais.

Já as indústrias de bens intermediários são aquelas que produzem bens manufaturados para outros ramos. Ou seja, para a produção de outros bens.

E por fim, as indústrias de bens de consumo, que produzem diretamente para o mercado consumidor. São divididas entre indústrias de bens duráveis e bens não duráveis. O primeiro diz respeito às mercadorias que podem ser usadas por bastante tempo, como roupas, sapatos e eletrônicos, por exemplo. E o segundo, é sobre produtos com prazos de vencimento curtos, como alimentos perecíveis.

Resumindo, indústrias de base são, por exemplo: mineradoras, petrolíferas, metalúrgicas.

As industrias de bens intermediários: aquelas que produzem produtos químicos, borracha, plásticos.

E as indústrias de consumo, são, as de automóveis, móveis, eletrônicos e eletrodomésticos – no caso das de bens duráveis; e de alimentos, têxtil e farmacêutica no caso das de bens não duráveis.

Você sabia dessas informações? Compartilhe em suas redes sociais.

Dia do Técnico em Eletrotécnica

#Indústria #GrupoTamboré

Em comemoração ao Dia do Técnico em Eletrotécnica e em agradecimento a todos esses profissionais, preparamos um conteúdo bem bacana sobre o ramo e seu vasto mercado. Continue lendo.

No campo prático, este profissional é responsável por projetar e instalar sistemas de acionamento elétrico; instalar e realizar a manutenção de iluminação e sinalização do local; atuar em todo o processo de transmissão e distribuição de energia; elaborar e desenvolver projetos de instalação elétrica e de sistemas de telecomunicações em construções; planejar e instalar equipamentos e sistemas elétricos e; medir o uso eficiente de energia elétrica e fontes de energia, por exemplo.

Por ser um trabalho bastante amplo, o indivíduo precisa passar por um curso técnico que aborde as três áreas gerais da atividade: elétrica geral, elétrica industrial e de motores e máquinas e processos. Geralmente esses cursos tem duração de 2 a 3 anos, e aborda estudos ensaios e testes industriais, assim como, práticas para a manutenção de sistemas elétricos. Para tanto, é necessário também, cursar disciplinas como: desenho técnico aplicado, gestão da manutenção, projetos de sistemas, leitura e interpretação de desenho e entre outras.

Basicamente, todo tipo de indústria precisa do profissional. Cito as principais: usinas hidrelétricas, termelétricas, eólicas, solares; indústrias metalúrgicas; empresas de distribuição de energia elétrica; empresas de água e saneamento; empresas de construção civil; empresas telecomunicações; empresas de instalação e manutenção de equipamentos elétricos; escritórios de projetos técnicos e; indústrias petrolíferas.

Estima-se que sejam geradas mais de 17 mil vagas para técnicos em eletrotécnica nos próximos anos, portanto, esse mercado está em ascensão.

O Grupo Tamboré Alumínio reconhece e parabeniza todos os profissionais técnicos em eletrotécnica! Sem vocês, nossas indústrias não brilhariam! Parabéns.

Como adequar seu time à industria 4.0

#Indústria #GrupoTamboré

Conforme a Indústria 4.0 se torna uma realidade cada vez mais presente no mundo moderno, se faz necessário a capacitação de funcionários com foco na manufatura avançada, pautada em tecnologia e conectividade.

Se você tem dúvidas se sua empresa, mesmo sendo de pequeno porte, deve investir nesse tema, a resposta é: SIM!

Nesse artigo, vamos abordar que é possível fazer pequenos investimentos monetários para estar de acordo com as promessas de mercado.

Segundo um levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), há um otimismo generalizado em cima desse assunto, pois há uma previsão de 3% de crescimento no setor (o maior visto desde 2011), resultando em uma queda de cerca de 11,8% na taxa de desemprego na indústria.

Portanto, a perda de emprego não está prevista no caminho da Indústria 4.0, ao contrário, a geração de novas oportunidades no mercado.

Os profissionais que atuarão no segmento, precisam ter suas competências técnicas aprimoradas:

Crie um programa de desenvolvimento constante.

Em conjunto com o recursos humanos da organização, considere implementar um programa de treinamento e workshops para desenvolver as habilidades e competências acerca de computadores, máquinas e cloud computing.

Invista na capacidade socioemocional dos colaboradores

Produza encartes e promova dinâmicas em grupo que abordem o espírito colaborativo, fazendo com que os indivíduos trabalhem em equipe. É importante também, fazer com que busquem aprender novas habilidades, se desprendendo das antigas.

Orientar à comunicação, inovação e capacidade de solucionar problemas complexos também se faz imprescindível no momento.

Desenvolva com eles, a importância de estar antenado as atualizações e tendências de mercado, bem como a busca por informações e notícias do ramo de atuação.

Invista em cursos online e também em cartilhas informativas.

O que você acha desse tema? Compartilhe em suas redes sociais.

O que você sabe sobre a indústria?

#Indústria #GrupoTamboré

Quando o assunto é indústria, muitas pessoas relacionam a atividade com a famosa cena do filme Tempos Modernos, em que, é retratado uma linha de montagem com um operário realizando tarefas repetitivas. Mas saiba que muita coisa mudou e o exercício vem se modernizando a cada dia.

Nesse artigo, preparamos algumas curiosidades sobre. Continue lendo.

A primeira dessemelhança é que, hoje, funcionários deixaram de realizar atividades monótonas, estas passaram a ser substituídas por máquinas. Enquanto isso, a força humana foi concentrada em operações humanizadas, como manuseio e gestão dos maquinários, gestão de pessoas e setores administrativos. Além das tecnologias, a evolução na legislação e nas relações de trabalho hoje, garantem um ambiente seguro e confortável de se trabalhar.

Para assegurar a eficiência da linha de produção, usa-se dos mais variados e sofisticados meios, como sensores de magnetismo, sensores de indução, e etc.

O papel da fábrica é utilizar-se de matérias primas para produzir itens e mercadorias para o consumo. Entretanto, para o desenvolvimento destes, são liberados gases e resíduos, alguns deles tóxicos. E engana-se quem pensa que isso as tornam as grandes vilãs do meio ambiente. Muito pelo contrário: hoje, há uma série de recomendações como normas e leis, que regulamentam e adequam essa atividade. Portanto, devem ser tratados e descartados de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, fazendo com que não agrida o meio ambiente.

As atividades industriais são fundamentais para a economia brasileira e estão presentes em quase todas as regiões do país. A cada dia, percebemos sua importância na nossa sociedade.

Você já sabe o que nossa empresa faz para contribuir com o corpo social? Então acesse a página “Sobre” no canto superior da página.

Produção industrial brasileira registra alta em agosto

#Indústria #GrupoTamboré

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, divulgou nesta sexta-feira (2) que a produção industrial brasileira cresceu 3,2% em agosto em comparação com julho. A alta é uma boa marca para o ano, já que é a quarta vez que registrada.

Produção industrial mensal — Foto: Economia G1

Entretanto, na comparação com o mesmo mês do ano passado, a indústria obteve queda de 2,7%. No acumulado do ano, a queda é de 8,6%.

A desaceleração também foi observada na média móvel trimestral. A alta foi de 6,9% no trimestre até agosto, ante avanço de 8,9% no trimestre até julho, quando foi interrompida a trajetória predominantemente descendente do setor iniciada no final de 2019.

“O resultado desse mês se dá numa magnitude abaixo do que a gente vinha observando nos últimos meses”, relatou o gerente da pesquisa, André Macedo. “É até natural que o crescimento se dê em magnitude menos elevada que nos meses anteriores, uma vez que deixamos para trás uma base de comparação muito depreciada”, enfatizou.

Devido à retomada das atividades durante o cenário pandêmico, dos 26 ramos pesquisa, 16 registraram crescimento da produção em agosto. Já no índice das grandes categorias, todas as 4 registraram alta pelo 4º mês consecutivo também.

“É um avanço bem consistente e disseminado entre as categorias, mas ainda há uma parte a ser recuperada”, avaliou Macedo.

Produção industrial em agosto, por ramos pesquisados — Foto: Divulgação/IBGE

“Substituição do plástico pelo Alumínio?

#2020 #Indústria #GrupoTamboré #2020

Com a busca por alternativas mais sustentáveis e seguido da crescente rejeição dos consumidores à embalagens plásticas, empresas do ramo de bebidas em vários países ao redor do globo, estão buscando substituir o material de embrulho plástico, por alumínio.

Apesar do custo do alumínio ser mais caro, as empresas afirmam que o valor não será refletido no preço final do produto. No Brasil, já se percebe esse movimento. No final do ano de 2019, a Ambev lançou a primeira água em lata do país. A mercadoria está sendo comercializada em mercados, bares, restaurantes e e-commerce. Além da eficiência em facilitar a reciclagem do alumínio, a água faz parte do portfólio da AMA, que destina 100% de seu lucro para projetos de acesso à água potável no estado brasileiro.

Nos Estados Unidos, a previsão é de que a demanda pelo metal cresça de 3% a 5% ao ano até 2025. A Coca-Cola informou que abrirá mão do plástico e que, envasará sua marca de água Dasani em latas de alumínio. A Pepsi fez o mesmo ao comercializar a água Aquafina em restaurantes e estádios no país norte americano.

O alumínio é uma alternativa mais fácil de se reciclar. Somente em 2017, o Brasil reciclou cerca de 295,8 mil toneladas do metal, que é corresponde a 97,3% das latas que foram colocas em circulação no mercado. O sistema de reaproveitamento do alumínio reduz em 95% a emissão de gases de efeito estuda, segundo a Abal (Associação Brasileira de Alumínio).

Gostou do conteúdo? Compartilhe em suas redes sociais.

“Administrar é a mesma coisa que empreender?

#2020 #Tendências #Indústria #GrupoTamboré #2020

A administração existe desde que o mundo é mundo. Para uns, é a ciência que estuda sobre como melhorar o convívio coletivo, levando em consideração interesses específicos. Para outros, é a busca por capital utilizando todos os recursos disponíveis. Na realidade, a administração na prática, significa ambos.

A mistura desses dois campos de estudos – Economia e Administração – resultam no exercício de empreender. Ambos são indispensáveis em uma organização. Entretanto, nem todo empreendedor é administrador, e vice-versa. Para empreender, é necessário características como coragem e intuição, enquanto para administrar, é necessário ser friamente racional.

Dados do Sebrae sobre empreendedorismo:

  • 34% da população brasileira adulta é empreendedora;
  • Sonhos do brasileiro: 1. casa própria; 2. viajar; 3. negócio próprio;
  • 99% das empresas no Brasil são MEPs ;
  • Representa 20% do PIB;
  • Representa 58% dos empregos formais;
  • 50% fecham em até 2 anos;
  • 60% fecham em até 4 anos.
  • 46% dos empreendedores afirmam que abriram o negócio sem conhecer os hábitos de consumo dos clientes e o número de clientes que atenderiam;
  • 39% ignoravam qual era o capital de giro necessário para abrir o negócio;
  • 38% desconheciam quantos concorrentes teriam;
  • 55% dos empreendedores não planejaram nada da empresa.

Fonte: SEBRAE/SP

O empreendedorismo precisa ser tratado como uma sala de administração. O empreendedor começa algo, resolvendo outro antigo. O administrador é necessário para continuar essa ideia do primeiro, gestando a fim de garantir os interesses individuais e coletivos que estão em cheque. Se o Empreendedor for a alma, o administrador será o corpo das instituições.